Entrevista com o Presidente da Acomac, Ademir Kurten

 

A crise econômica que se deflagra nos Estados Unidos e Europa preocupa empresários em todo o mundo. Mas, neste cenário de incertezas, quais podem ser as influências na economia brasileira e no mercado de Construção Civil? Conversamos sobre o assunto com o presidente da Acomac – Associação dos Comerciantes de Material de Construção de Curitiba e região, Ademir Kurten, que traçou um cenário otimista para os empresários do setor e possíveis formas de driblar novamente uma crise na economia mundial.

 

CONEXÃO PLASTILIT – Como está a preocupação do setor com a volta de uma crise econômica? Qual a visão geral?

ADEMIR KURTEN – A crise econômica afeta principalmente, o crédito com restrição de prazos, aumento das taxas e maiores exigências. Consequentemente, as vendas tendem a diminuir. Desde maio deste ano, o varejo da construção sente uma queda nas vendas de materiais e o mercado imobiliário já está sentindo o mesmo. Algumas construtoras já sinalizam alguma preocupação segurando lançamentos que estavam previstos para este ano e aguardando uma melhora no cenário econômico.

CONEXÃO PLASTILIT – Essa queda nas vendas é algo passageiro ou existe alguma preocupação de que as vendas continuem baixas por um longo período?

ADEMIR KURTEN – Acredito que a queda da venda no varejo seja algo passageiro e que volte ao normal a partir do último quadrimestre do ano. No próximo ano, a tendência é de alta devido ao início de várias obras para a Copa do Mundo e também porque o governo deve começar a baixar as taxas de juros com a diminuição da inflação.

CONEXÃO PLASTILIT – Quais as lições que a última crise econômica deixou para a Construção Civil?

ADEMIR KURTEN – Ao contrário do resto do mundo, a crise de 2008 não atingiu o setor da Construção Civil no Brasil, pois o governo lançou o programa Minha Casa, Minha Vida, que ajudou a aquecer o mercado.

CONEXÃO PLASTILIT – E o programa Minha Casa Minha Vida pode continuar beneficiando o setor?

ADEMIR KURTEN – Com o programa Minha Casa, Minha Vida, o mercado da Construção Civil deve se manter aquecido, principalmente porque as construtoras estão começando agora obras que foram vendidas no ano passado.

CONEXÃO PLASTILIT – Caso ocorra, quais podem ser as principais consequências da crise econômica para o setor?

ADEMIR KURTEN – A principal consequência para o setor pode ser o desemprego, mas isso ainda está longe de acontecer, já que os lançamentos feitos hoje só serão realizados nos próximos anos.

CONEXÃO PLASTILIT – Como os empresários e comerciantes da Construção Civil podem se preparar para enfrentar uma possível nova crise econômica?

ADEMIR KURTEN – Os empresários podem garantir crédito fácil e rápido aos clientes, além de usar as vendas de lançamentos como um termômetro. Por exemplo, se ao lançar um empreendimento, a construtora não conseguir vender, no mínimo, 30% das unidades, é melhor nem iniciar a obra. Os comerciantes devem ficar atentos para as oportunidades que o mercado oferece. Por exemplo, a importação de produtos e o cartão próprio são algumas ações que podem manter e aumentar as vendas assim como as margens de lucro.

1 comentário até agora.

  1. CRISTINA Disse:

    Parabens pela variedade de informaçoes no portal e a entrevista do Ademir,esta muito boa com informaçoes que nos servem de termometro para agir dentro do mercado da construção .
    Sugiro que façam mais entrevistas com empresarios do ramo, assim nos manteremos informados e atualizados

Voltar ao topo